Texto Clarice Lispector – Suponhamos

Suponhamos – Clarice Lispector.

Suponhamos que eu seja uma criatura forte, o que não é verdade.

Suponhamos que ao tomar uma resolução eu a mantenha, o que não é verdade.

Suponhamos que eu escreva um dia alguma coisa que desnude um pouco a alma humana, o que não é verdade.

Suponhamos que eu tenha sempre o rosto sério que vislumbro de repente no espelho ao lavar as mãos, o que não é verdade.

Suponhamos que as pessoas que eu amo sejam felizes, o que não é verdade.

Suponhamos que eu tenha menos defeitos graves do que tenho, o que não é verdade.

Suponhamos que baste uma flor bonita para me deixar iluminada, o que não é verdade.

Suponhamos que eu esteja sorrindo logo hoje que não é dia de eu sorrir, o que não é verdade.

Suponhamos que entre os meus defeitos haja muitas qualidades, o que não é verdade.

Suponhamos que eu nunca minta, o que não é verdade.

Suponhamos que um dia eu possa ser outra pessoa e mude de modo de ser, o que não é verdade.

Relacionados

Reflexão realista da vida

A vida é um soco no estômago.

Sou apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer - Clarice Lispector.
Frase de Clarice sobre estar vivo
O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?
Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever - Clarice Lispector.
Frase de Clarice sobre saudade
Saudade é um dos sentimentos mais urgentes que existem.
Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada - Clarice Lispector.
Frase sobre mudança
Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.
Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca - Clarice Lispector.
Felicidade eterna
Oh Deus, que faço dessa felicidade ao meu redor que é eterna, eterna, eterna e que passará daqui a um instante? Por que o corpo só nos ensina a ser mortal?
Saudade é como um pouco de fome: só passa quando se come a presença - Clarice Lispector.